quote

” No banquete de Platão, a profetisa Diotima de Matinéia resaltou para Sócretes, com sincera aprovação deste, que o amor não se dirige ao belo, como você pensa; dirige-se a geração e ao nascimento do belo.” Amar é querer “gerar e procriar”, e assim o amante ” busca e se ocupa em encontrar a coisa bela na qual possa gerar”. Em outras palavras, não é ansiado por coisas prontas, completas e concluídas que o amor encontra o seu significado, mas no estímulo a participar da gênese dessas coisas. O amor é afim `a transcedência; não é senão outro nome para o impulso criativo e como tal carregado de riscos, pois o fim de uma criação nunca é certa.” – O amor líquido, Zygmunt Bauman

Amor, um impulso criativo

2 thoughts on “Amor, um impulso criativo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *